NO AR
RONDÔNIA NO AR
Rolim de Moura - Rondônia
 
Impactos na saúde dos astronautas podem estar ligados ao traje espacial
13/03/2018 / 21:05

 Os primeiros cosmonautas a serem mandados em missões espaciais pelos EUA sofreram alterações corporais após as viagens. Segundo um estudo publicado nesta terça-feira (13) na Nature, as razões para tais mudanças podem estar menos conectadas com a experiência em zero gravidade, podendo ser melhor explicadas pelo uso de trajes espaciais extremamente incômodos durante as missões.

 
Resultado de imagem para Impactos na saúde dos astronautas podem estar ligados ao traje espacial
 
Segundo o artigo, o Projeto Mercúrio, que vigorou entre 1961 e 1963, testava seus astronautas antes e depois dos voos com exames cardiológicos e urinários, além de medir a temperatura corporal e o peso deles, em busca de alterações. Os aumentos nas taxas de batimentos cardíacos e a perda de massa foram vistos em todos astronautas quando eles voltaram à Terra.
 
Resultado de imagem para Impactos na saúde dos astronautas podem estar ligados ao traje espacial
 
Não coincidentemente, os trajes espaciais utilizados no Projeto Mercúrio eram pressurizados e chegavam a pesar mais de 9 Kg, além de ter a alimentação de oxigênio suprida por uma espécie de mangueira que ficava instalada na cintura. Mesmo que os voos tenham sido curtos, entre 15 minutos e 34 horas, os astronautas precisavam usá-las por períodos de tempo muito longos: "Eles precisavam se vestir com antecedência para realizar vários testes, e também havia atrasos nos lançamentos", explica Virginia Wotring, co-autora do estudo e professora do Centro de Medicina Espacial do Baylor College of Medicine.
 
Resultado de imagem para Impactos na saúde dos astronautas podem estar ligados ao traje espacial
 
Como um exemplo, os primeiros envios do Projeto Mercúrio tiveram apenas 15 minutos de voo sem gravidade, mas os astronautas precisaram usar os desconfortáveis trajes por mais de 5 horas seguidas.
 
Resultado de imagem para Impactos na saúde dos astronautas podem estar ligados ao traje espacial
 
Hoje sabemos que os minutos ou horas passados em gravidade zero não são tão significativos a ponto de explicar as alterações encontradas nos exames clínicos dos astronautas. Entretanto, sabemos que o hábito de reter urina e não ingerir líquidos pode ser um fator estressante para o corpo, uma vez que impacta a saúde renal. E, como os primeiros trajes espaciais exigiam que os viajantes fizessem suas necessidades fisiológicas em fraldões, muitos deles apresentaram alterações corporais devido a essa questão.
 
De lá até aqui, muitas mudanças foram feitas nos trajes espaciais, que já não apresentam mais tantas dificuldades e incômodos.
 
 
terra.com.br/noticias
 
PARCEIROS
 
SISTEMA RONDÔNIA DE COMUNICAÇÃO