NO AR
Djalma Pereira
Rolim de Moura - Rondônia
 
Homem procura polícia ao tentar comprar CHN falsa pelo WhatsApp, em RO
12/01/2018 / 21:04

 Um homem de 26 anos perdeu R$ 1,8 mil depois de encomendar uma Carteira Nacional de Habilitação (CHN) falsa através do aplicativo de mensagens WhatsApp, em Vilhena (RO), na região do Cone Sul. Após perceber que o suposto vendedor não iria lhe entregar o documento, o próprio comprador procurou a Unidade Integrada de Segurança Pública (Unisp) nesta semana e revelou o esquema.

 
Cliente negocia CNH falsa com suspeito no WhatsApp (Foto: Extra de Rondônia/Reprodução)
 
O caso foi divulgado nesta sexta-feira (12) e, segundo a Polícia Civil, a vítima que havia encomendado a CNH falsa não ficou presa, porém o fato está sendo investigado.
 
À Polícia Civil, o homem contou que, em novembro do ano passado, um amigo passou o número de telefone de uma pessoa que vendia CNH falsa. Ele entrou em contato com o responsável, através de um aplicativo de mensagens e o estelionatário cobrou de R$ 1, 8 mil pelo documento.
 
Em dezembro, o comprador fez dois depósitos; um de R$ 1mil e outro de R$ 800. Depois do pagamento, o estelionatário parou de responder as mensagens.
 
Com isso, a vítima acredita que caiu em um golpe e procurou a polícia. Para o registro do boletim, o homem levou cópias das conversas do aplicativo e os comprovantes bancários, que foram anexadas à ocorrência.
 
De acordo com a delegacia de Polícia Civil, a princípio, a vítima não cometeu crime, pois ela não teve acesso ao documento falso e dessa forma, não chegou a utilizá-lo. Contudo, o caso de estelionato continua em investigação, para também, identificar a pessoa que ofertou a CNH.
 
Conforme o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), conduzir veículos automotores sem habilitação é infração de natureza gravíssima. A penalidade é multa multiplicada por três vezes, que corresponde atualmente a R$ 880, 41, mais apreensão do veículo.
 
Valores da CNH
O G1 procurou três autoescolas de Vilhena para saber os valores cobrados pela CNH, categoria A e B. A média ficou em R$ 1, 4 mil, mais R$ 975 destinados para exames, taxas e simulador. A categoria D custa R$ 850 e a E, R$ 1, 6 mil.
 
 
 
 
 
g1.globo.com
 
PARCEIROS
 
SISTEMA RONDÔNIA DE COMUNICAÇÃO